Eletricidade ao preço mais alto de sempre no mercado ibérico

Eletricidade ao preço mais alto de sempre no mercado ibérico

O preço da eletricidade no mercado grossista ultrapassou, pela primeira vez desde que há registo – o Mibel foi criado em 2007, mas há dados históricos desde 2002 – os 100 euros por megawatt hora.

O preço da eletricidade no mercado ibérico atingiu, nesta terça-feira, os 106,57 euros por megawatt hora (MWh), o valor mais elevado de sempre, batendo o máximo histórico do dia anterior, que fora já de 101,8 euros. Os valores são do Omie e referem-se ao preço médio de venda da energia para os contratos do dia seguinte.

A Associação de Comercializadores de Energia no Mercado Liberalizado (ACEMEL) admite que a tendência se irá “agravar mais ainda” nos próximos tempos. “À medida que, na Europa, vamos desenvolvendo cada vez políticas de transição [energética] mais potentes, sem que exista ainda suficiente penetração de energias renováveis, é natural que o preço continue a subir até que tenhamos condições técnicas para sermos abastecidos apenas por produção de tecnologia não poluente”, frisa Ricardo Nunes, presidente da ACEMEL.

Sobre os efeitos desta subida histórica dos preços grossistas sobre os consumidores, este responsável considera “natural” que o custo da componente energética da fatura “aumente exponencialmente durante este período de transição energética”. Já a componente não-energética, que se refere às tarifas de acesso às redes, impostos, taxas, etc., que todo o consumidor tem de pagar, Ricardo Nunes diz que vai depender das políticas do governo quanto à alocação dos ganhos com o mercado [das emissões] de CO2 e com as políticas fiscais. “Acredito que esta componente possa ter uma redução significativa no próximo ano”, admite.

Questionado sobre que medidas podem ser tomadas para evitar a escalada dos preços no mercado grossista, Ricardo Nunes admite que tal só pode ser conseguido através de duas formas, ou da alteração do modelo de mercado, o que admite ser “muito difícil”, ou do aumento da velocidade de penetração e desenvolvimento de produção renovável e de soluções de armazenamento “consistentes”.

De qualquer forma, há que estar atento ao mercado e às suas movimentos, acredita a associação. Em Espanha, o regulador do mercado anunciou, há alguns meses, que estava a analisar estes preços históricos do Mibel. “A ERSE como regulador independente do setor em Portugal, e no exercício das suas funções, deve estar a fazer o mesmo para garantir que estes movimentos de mercado são normais e consistentes com a situação dinâmica que vivemos um pouco por toda a Europa, até para tranquilizar o consumidor final quanto à transparência no sector de energia”, frisa o presidente da ACEMEL.

Já o Ministério do Ambiente, questionado se os consumidores se devem preocupar, diz que não, porque a subida do preço da eletricidade no mercado grossista ibérico tem um “duplo efeito” no preço final pago pelas empresas e famílias: “por um lado agrava a componente de energia, mas, por outro lado, alivia a componente de acesso às redes”, a qual, relembra, representa cerca de 60% do preço final da eletricidade antes de impostos.

“O efeito líquido nas tarifas de acesso às redes será confirmado aquando da definição, pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, das tarifas e preços para a energia elétrica em 2022, no final deste ano”, sustenta.

Questionado, ainda, sobre eventuais medidas em estudo para promover uma redução do preço da eletricidade, fonte oficial do Ministério de Matos Fernandes destaca que o Governo “tem vindo a adotar um conjunto de medidas que permitiram alcançar, nos últimos 5 anos, uma redução acumulada de 9,3% nas tarifas de acesso às redes (onde se inclui os CIEG – Custos de Interesse Económico Geral) pagas por todos os clientes, industriais e domésticos, e de 4,2% nas tarifas reguladas aplicáveis aos clientes domésticos”.

Além disso, aponta a descida da taxa do IVA de 23% para 13%, na componente do consumo, medida aplicada aos consumidores domésticos a partir de 1 de dezembro e alargada às famílias numerosas a partir de março.

“Quanto aos consumidores industriais, e considerando o fim do regime de interruptibilidade em 1 de novembro deste ano, o Governo está a desenvolver um conjunto de medidas de apoio específicas que permitirá reduzir os custos de eletricidade destes consumidores, destacando-se a criação de um produto específico no âmbito do mercado de serviços de sistema, a aplicação do mecanismo de compensação dos custos indiretos de CO2 e a isenção dos CIEG no Autoconsumo através da dispensa de cumprimento do conceito de proximidade”, sublinha.

Eletricidade ao preço mais alto de sempre no mercado ibérico
Eletricidade ao preço mais alto de sempre no mercado ibérico
Geral | Economizar energia | Faturação

Fonte: https://www.dinheirovivo.pt/economia/eletricidade-ao-preco-mais-alto-de-sempre-no-mercado-iberico-13958397.html

Deixe um comentário