fbpx

Campanha de angariação de resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos até 15 de Dezembro

resíduos de equipamentos eléctricos

O NERBA junta-se à Mautomotive, que por sua vez se alia à campanha da AIMMAP e da WEEECYCLE, para a angariação de resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos. Pela quantidade de REEE recolhida pela WEEECYCLE reverterá um valor monetário para uma Instituição Particular de Solidariedade Social – IPSS.

Se quiser fazer parte desta campanha, pode trazer para o NERBA (Avenida das Cantarias, n.º 140, 5300-107 Bragança), até 15 de dezembro, este tipo de resíduos (computadores, telemóveis, micro-ondas, chaleiras, lâmpadas, monitores, teclados, comandos, consolas, etc…), os quais já não funcionam, não têm reparação, constituindo assim resíduos que não sabemos onde colocar.

Contactar o NERBA 273304630 para agendar a entrega.

Quão mais barato é utilizar um veículo elétrico?

Um dos benefícios mais citados quando se fala em mudar para um Veículo elétrico (VE) é que os custos de utilização são significativamente mais baixos do que os de um veículo com motor de Combustão interna (CI), mas quão mais baratos são realmente? Evidentemente que isso é algo muito difícil de quantificar e para aumentar essa dificuldade, os fornecedores de eletricidade em toda a Europa têm criado promoções lucrativas para atraírem cada vez mais clientes proprietários de VE.

Será que um proprietário típico de um VE economizará dinheiro mudando para uma tarifa VE?

Na Delta-EE acreditamos que essas são duas questões que precisam de alguma atenção. Portanto, neste blog – e em reconhecimento ao Dia Mundial do VE i – quero compartilhar os resultados da última análise da equipa de VE – uma análise profunda dos custos de carregamento de VE em casa por toda a Europa.

Questão 1: Quão mais barato é conduzir um VE do que um veículo CI?

Resposta: 61% mais barato para ser preciso!

European drivers save 832 Euros 756 pounds per year switching to an EV

A partir da análise pan-europeia da Delta-EE, combinando mais de 200 fornecedores de eletricidade doméstica e carregamentos públicos com dados de preços de gasolina, concluímos que:

  • Um proprietário médio de um VE na Europa gasta € 45,09 no carregamento de um VE num mês normal.
  • Destes, € 29,35 é o valor médio que os europeus estão a adicionar às suas contas de eletricidade em casa todos os meses para carregar o VE.
  • Os restantes 15,74 € destinam-se à cobrança pública (de taxas de acesso, taxas de sessão e subscrições).
  • Quando comparado com o gasto médio antecipado com gasolina de 114,45 € por mês, esta seria uma poupança de 69,38 € todos os meses – uma redução de 61%.
  • Tal como indica a imagem acima, isto representa uma economia de € 832,29 ao longo do ano. Essa economia anual pode compensar perfeitamente o custo da instalação de um ponto de carga doméstico. *

Obviamente, muitos cenários dos proprietários de VE não se enquadram nos números indicados em cima (se não tiver estacionamento privado, por exemplo). Contudo, esta análise fornece uma referência útil para perceber a escala de transações que estão a ser feitas e economizadas pelo cliente europeu típico que optou por usar um VE em 2020.

Questão 2: Será que um utilizador típico de VE poupa dinheiro se mudar para um fornecedor com tarifa VE?

Resposta: não necessariamente – verifique as opções.

A análise explorou 64 fornecedores de eletricidade em seis mercados europeus e classificámos o custo de carregamento residencial para cada mercado. A imagem abaixo resume quem obteve o melhor valor em termos de contrato total de energia doméstica para os proprietários de VE hoje em dia.

Nota: nesta parte da análise, incluímos os custos fixos do contrato de eletricidade no topo do custo unitário por kWh para cobrança de VE e excluídos os custos unitários por kWh para outros fins de energia doméstica. Isso faz a comparação mais justa de um fornecedor para o outro.

the best home electricity contracts for EV owners in 2020

As tarifas VE estão a começar a aparecer nos principais mercados europeus, nomeadamente no Reino Unido e na Espanha – essas tarifas foram pensadas com o proprietário de um VE em mente. Algumas dicas importantes:

  • 28% dos nossos fornecedores de eletricidade tinham ofertas de tarifas VE. Nenhum na Holanda ou Noruega, apesar de serem os principais mercados de VE em 2020.
  • As tarifas mais baratas para um proprietário de EV no Reino Unido e na Espanha foram as tarifas de VE (British Gas e Lucera, respetivamente).
  • No entanto, em média, as tarifas VE eram mais caras do que a média de outras tarifas no mercado, para um proprietário de VE com quilometragem média (calculamos em 1.385 km por mês). Apenas na Alemanha uma tarifa VE era consistentemente melhor.
  • As tarifas VE fazem mais sentido do ponto de vista financeiro em toda a Europa para proprietários de alta quilometragem, aqueles que normalmente conduzem de 3.000 a 4.000 km por mês.
  • Algumas tarifas VE são agrupadas com outros produtos ou serviços, portanto, o preço por si só pode não refletir o valor total que se recebe.

Os proprietários de VE devem definitivamente explorar a variedade de promoções disponíveis, mas devem certificar-se que conduzem o suficiente tornar a tarifa VE rentável.

As propostas de VE estão apenas no início.

Sabemos que estamos apenas no início da jornada. Com a adoção de VE, os preços e as propostas irão evoluir cada vez mais. Por enquanto, convidamo-lo a usar estes dados e, por favor, entre em contato se estiver interessado em saber mais.

Um enorme obrigado a Sarah, Mira, Edna, Leo e Jason, nossa equipe de alunos do curso MPhil Engenharia para o Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Cambridge. A equipa apoiou a Delta-EE extensivamente no design do modelo, recolha e análise de dados como parte de uma avaliação em seu curso.

Texto de Andy Bradley (Diretor Delta-EE) traduzido a partir de:

https://energycentral.com/c/ec/how-much-cheaper-it-run-ev-and-should-i-get-ev-tariff?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Energy+%26+Sustainability+Network+%28all+posts%29

4 Factos acerca do COVID e do consumo de eletricidade (nos EUA)

O professor Steve Cicala tem vindo a estudar o efeito da Covid no consumo de eletricidade desde março, quando o Wall Street Journal iniciou seu trabalho documentando uma redução de 18% no consumo de eletricidade na Itália.

O novo trabalho do professor, concentrado nos Estados Unidos, é particularmente atraente porque usa dados que permitem distinguir entre os sectores residencial, comercial e industrial.

Sem mais demora, aqui estão quatro factos que ele verificou sobre a Covid e o consumo de eletricidade nos EUA.

Facto#1: As empresas estão a usar menos

O consumo de eletricidade do sector comercial nos EUA caiu 12% durante o segundo trimestre de 2020. O consumo de eletricidade no sector industrial caiu 14% no mesmo período

ci.jpg (871×742)

Isso faz sentido. O segundo trimestre foi por algumas avaliações, o pior trimestre para a economia dos EUA nos últimos 145 anos!

A actividade económica encolheu. Escolas fechadas. Escritórios fechados. Fábricas fechadas. Restaurantes fechados. Shoppings fechados. Até mesmo os consultórios de saúde fecharam porque os pacientes demoraram a ir ao dentista e a outros cuidados de rotina. Tudo isso significa menos aquecimento e arrefecimento, menos iluminação, menos refrigeração, menos energia para computadores e outros equipamentos de escritório, menos tudo.

A queda no setor industrial é um pouco mais surpreendente. A minha impressão era de que o sector industrial não tinha caído tanto quanto comercial, mas os padrões para ambos os setores são bastante semelhantes, com o pico da queda a dar-se em maio, recuperando parcialmente até julho. O documento mostra também que as áreas com taxas de desemprego mais altas tiveram quedas maiores em ambos os setores.

Facto#2: As famílias estão a usar mais

Enquanto as empresas estão a usar menos, as famílias estão a usar mais. O consumo de eletricidade residencial nos EUA aumentou 10% durante o segundo trimestre de 2020. O consumo aumentou durante março, abril e maio, e estabilizou em junho e julho com uma menor recuperação do que a observada no comércio / indústria.

r.jpg (864×358)

Esse padrão também faz sentido. Nas palavras do professor Cicala, “as pessoas estão a passar uma quantidade excessiva de tempo em casa”. Muitos de nós mudámos para trabalhar em casa quase imediatamente, e não olhamos para trás. Isso significa mais ar condicionado, mais máquina de lavar louça a trabalhar, mais CNN (especialmente na semana passada), mais Zoom e assim por diante.

O artigo também examina as correlações do declínio. As áreas nos EUA onde mais pessoas podem trabalhar em casa experimentaram aumentos maiores. As taxas de desemprego, no entanto, não têm praticamente correlação com o aumento.

Facto#3: As empresas com menos consumos nos picos

O artigo a seguir volta-se para um novo conjunto de dados do Texas em que é possível medir o consumo de eletricidade por hora e por setor.

ci_hours.jpg (922×526)

Como a figura acima ilustra, os maiores declínios no consumo de eletricidade comercial / industrial ocorreram de segunda a sexta-feira, entre 9h e 17h. A linha tracejada mostra o padrão durante 2019. Observe os grandes picos no consumo de eletricidade durante o horário comercial. A linha contínua mostra o padrão durante 2020. Picos muito menores durante o horário comercial.

Facto #4: Todos os dias são como o Domingo

De novo, observando o padrão de 2019, refletido pela linha tracejada. Antes de Covid, as residências do Texas usavam muito mais eletricidade aos sábados e domingos.

Chega o Covid, e todos os dias se transformam no fim de semana. O consumo residencial de eletricidade no Texas durante o horário comercial de segunda a sexta-feira aumentou 16%.

No padrão para 2020, não é fácil distinguir fins de semana de dias de semana. Se acha que os dias de semana e fins de semana estão se tornando um grande borrão, não está sozinho.

Conclusão

Os investigadores estão a pensar cada vez mais no consumo de eletricidade como um indicador em tempo real da actividade económica. Esta é uma ideia intrigante, mas o novo artigo do Professor Cicala mostra que é importante olhar sector a sector.

Embora o consumo comercial e industrial realmente pareça medir a força de uma economia, o consumo residencial tem estado em forte contra-ciclo, aumentando exatamente quando as pessoas não estão no trabalho nem na escola.

Estas grandes mudanças de comportamento são específicas da pandemia. Ainda assim, com o aumento da indefinição das actividades domésticas e não domésticas, podemos olhar para 2020 como um ponto de viragem fundamental na maneira como pensamos sobre esses três sectores da economia.

De forma mais ampla, o artigo do professor Cicala destaca o valor da pesquisa em ciências sociais. Precisamos de fatos, dados e, sim, ciência, se quisermos entender a economia e elaborar políticas eficazes.

Texto Original: Davis, Lucas. “Four Facts about Covid and U.S. Electricity Consumption” Energy Institute Blog, UC Berkeley, November 9, 2020, https://energyathaas.wordpress.com/2020/11/09/four-facts-about-covid-and-u-s-electricity-consumption/

a partir de Steve Cicala, “Powering Work From Home”, October 2020, NBER Working Paper #27937.

Venda de carros electrificados ultrapassa os diesel na Europa

Segundo a consultora JATO Dynamics, em setembro, o número de matrículas para carros eletrificados foi superior às dos veículos com motor diesel. Além disso, de acordo com a análise de mercado, a procura de carros a gasolina e diesel registou uma quebra de dois dígitos em setembro de 2020, face ao período homólogo de 2019.

As matrículas de carros a gasolina representaram 47% do volume total do mercado europeu, ou seja, uma quebra de 12% face a 2019. Relativamente aos automóveis com motor a diesel, a quebra foi de 4%. O número de matrículas para carros eletrificados disparou (de 11% para mais de 25%).

É verdade que por margens pequenas, mas o número de matrículas para veículos eletrificados ultrapassou efetivamente o número de matrículas para carros com motor a diesel. No total foram matriculados 327 800 unidades de carros eletrificados em setembro (um crescimento de 139%).

https://www.jato.com/in-september-2020-for-the-first-time-in-european-history-registrations-for-electrified-vehicles-overtook-diesel/

Tem um carro elétrico? Não há desconto no IVA da eletricidade (se carregar na rua)

De acordo com as informações, a taxa de IVA da eletricidade vai passar de 23% para 13% até determinados escalões de consumo. De referir que este era já um compromisso que estava definido no Orçamento do Estado de 2020.

Até aos primeiros 100 Kwh consumidos por mês reduz-se a taxa de 23% para 13%. Para o consumo mais alto, mantém-se a taxa mais alta, de 23%. Relativamente aos agregados familiares mais numerosos, aplica-se uma majoração de 50%.

De acordo com a Portaria n.º 247-A/2020, não estão abrangidos…

  • a) O consumo de eletricidade por instalações provisórias ou instalações eventuais, assim consideradas nos termos da regulamentação aplicável;
  • b) A produção, distribuição e autoconsumo de eletricidade;
  • c) O fornecimento de eletricidade para consumo cujo contrato tenha por base um escalão de potência indeterminado ou quando não exista potência contratada, nomeadamente o fornecimento de eletricidade:
  • Para iluminação pública;
  • Para carregamento de veículos elétricos em posto de carregamento;
  • d) A componente fixa da tarifa de acesso às redes e as demais componentes relativas à potência contratada que não variam com a quantidade de kWh consumidos;
  • e) As taxas e impostos sobre a eletricidade, designadamente o Imposto Especial de Consumo, a Contribuição Audiovisual e a taxa DGEG.

Fonte: https://pplware.sapo.pt/motores/tem-um-carro-eletrico-nao-ha-desconto-no-iva-da-eletricidade-se-carregar-na-rua/

Eletricidade Solar atinge custos historicamente baixos

Em algumas partes do mundo, a energia solar é agora a fonte de eletricidade mais barata da história, graças a políticas de incentivo ao crescimento da energia renovável, de acordo com um novo relatório divulgado hoje pela Agência Internacional de Energia (IEA).

A luz solar é grátis, mas a tecnologia necessária para transformá-la em eletricidade pode ser cara. Para incentivar mais pessoas e empresas a mudar para a energia solar, os países podem ajustar as suas políticas para tornar a compra desses equipamentos mais acessível.

Hoje, mais de 130 países têm políticas de incentivo á redução do custo da construção de novas instalações solares. Este é o primeiro ano em que a IEA teve essas políticas em consideração ao calcular o custo da energia solar no relatório anual “World Energy Outlook”.

Estimou-se que o custo da energia solar caiu entre 20 a 50 por cento por região em comparação com o ano passado, segundo o “Carbon Brief“.

O solar está a caminho de se tornar “o novo rei no fornecimento de eletricidade”, diz o relatório, à medida que os preços continuam a baixar. Espera-se que domine cada vez mais o mercado na próxima década, impulsionado pelos esforços globais para combater as alterações climáticas.

A UE, por exemplo, estabeleceu uma meta para que 32% da sua energia seja obtida através de fontes renováveis até 2030.


“Parece que as politicas de incentivo vieram para ficar, o que é uma coisa muito boa”, disse Brent Wanner, que lidera a modelação e análise de produção de energia para o “World Energy Outlook” da IEA. “Essas políticas são realmente essenciais para sustentar esses custos baixos, que sustentam o tipo de crescimento de que precisamos para avançar em direção às ambições climáticas.”

Legenda: Perspectivas para a produção de Energia elétrica a partir de diferentes fontes
….. ( World energy outlook 2018), ——– ( World energy outlook 2019) ______( World energy outlook 2020)

Na maioria dos países do mundo, é consistentemente mais barato construir centrais solares do que novas centrais a carvão ou gás, diz o relatório.

Para projetos solares de larga escala concluídos este ano, o custo médio de geração de eletricidade durante a vida útil da central (chamado de custo nivelado de eletricidade) foi de 35 a 55 dólares por MWh em alguns dos maiores mercados do mundo – EUA, Europa, China e Índia. Apenas há quatro anos atrás, o custo nivelado médio global da energia solar era de 100 dólares por MWh, de acordo com o Fórum Económico Mundial. Há cerca de uma década era de 300 dólares

Custo nivelado de eletricidade estimado(LCOE) de centrais solares de larga escala com apoios comparativamente com o LCOE do carvão e do gás Fonte IEA World Energy Outlook 2020.


O custo do carvão, em comparação, atualmente varia entre os 55 e os 150 dólares por MWh, de acordo com o novo relatório da IEA – quase o mesmo valor de há uma década. E a indústria do carvão está em declínio, apesar dos esforços dos EUA do governo Trump para sustentá-la.

Globalmente, o uso de carvão provavelmente não voltará aos níveis pré-pandémicos, mesmo que a economia recupere no próximo ano, prevê a AIE.


A previsão para a energia solar no futuro, por outro lado, é soalheira. A procura de eletricidade é baixa devido à pandemia, mas a AIE espera que o apetite das pessoas por eletricidade possa regressar rapidamente assim que a pandemia estiver sob controle e a economia se recuperar. Também antecipa um futuro onde a energia solar continua a crescer em velocidades recordes para atender à procura crescente dos consumidores. “A boa notícia é que a tecnologia solar continua a melhorar e a inovação continua a reduzir esses custos”, diz Wanner.

Fonte: https://www.theverge.com/2020/10/13/21514902/solar-energy-cost-historic-low-energy-agency-outlook-2020

Programa de Apoio a Edifícios Mais Sustentáveis

O Governo lançou agora um novo programa de incentivos cujo objetivo passa por reabilitar e tornar os edifícios energeticamente mais eficientes e, para isso, as obras podem ser comparticipadas até 70%, .

São elegíveis então pessoas singulares proprietárias de edifícios de habitação existentes e ocupados, unifamiliares, de frações autónomas em edifícios multifamiliares ou de edifícios multifamiliares. Neste caso, construídos até ao final do ano de 2006.

A dotação deste Incentivo é de 1.750.000 € (um milhão setecentos e cinquenta mil euros) em 2020 e de 2.750.000 € (dois milhões setecentos e cinquenta mil euros) em 2021.

O prazo para apresentação das candidaturas ao Incentivo decorre desde o dia 7 de setembro de 2020 até às 23.59 h do dia 31 de dezembro de 2021 ou até esgotar a dotação prevista. As candidaturas são apresentadas ao Fundo Ambiental através do preenchimento do formulário disponível no sítio do Fundo Ambiental (https://www.fundoambiental.pt) dedicado à presente Iniciativa. A submissão do formulário preenchido deve ser acompanhada de todos os documentos solicitados.

O Programa de incentivos abrange todo o território de Portugal Continental.

https://www.fundoambiental.pt/avisos-2020/mitigacao-das-alteracoes-climaticas/programa-de-apoio-a-edificios-mais-sustentaveis.aspx